PatriaQueimadaBrasil

Linha do tempo

UM GOVERNO CONTRA O MEIO AMBIENTE

O aumento do desmatamento e das queimadas não acontece por acaso. Em regiões como a Amazônia e o Cerrado, elas são a previsível consequência da falta de planejamento e de ação de nossos governantes. Porém, desde janeiro deste ano, o que já estava ruim ficou muito pior. Ao assumir a presidência, Bolsonaro iniciou um verdadeiro ataque ao meio ambiente, mirando especialmente a Amazônia e seus povos. Confira a seguir a "coleção" de atrocidades ambientais anunciadas por ele e por seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

01.01.2019

Um ministro falso

Ricardo Salles, o novo ministro do meio ambiente, ficou conhecido escrevendo e assinando artigos com um currículo falso: ele inventou que se formou na Universidade Yale e que entende de meio ambiente. É mentira. Na verdade, ele é um advogado que prestava serviços para o agronegócio. Duas semanas antes de assumir o ministério, foi condenado pela justiça de São Paulo, acusado de FRAUDE AMBIENTAL.

fonte

08.01.2019

Salles nem disfarçou

Na transição, o antigo ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, preparou um dossiê com tudo o que o ministério estava fazendo e o olhar para o futuro. Salles recusou-se a receber o documento. Nem disfarçou: não estava interessado em políticas ambientais. Suas prioridades eram outras: um dos primeiros atos do Ministério foi perdoar a multa por crime ambiental que Bolsonaro recebeu por pesca ilegal numa área protegida.

fonte

28.02.2019

Começa o ataque

Salles entra em guerra contra todo mundo que protege o meio ambiente. Demite quase todos os líderes dos órgãos ambientais e não coloca ninguém no lugar da maioria. Os administradores de reservas ambientais e parques nacionais são demitidos e substituídos por policiais militares inativos. O investimento em programas ambientais despenca.

fonte

04.03.2019

Mineiradoras estrangeiras de olho

Ministro de Minas e Energia, em grande evento com mineradoras no Canadá, anuncia os planos do governo Bolsonaro de liberar mineração em terras indígenas.

fonte

13.03.2019

Técnicos amordaçados

O ministro Ricardo Salles proíbe que funcionários dos órgãos responsáveis por cuidar do meio ambiente divulguem qualquer informação sem antes ter seu aval. Quer controle total da comunicação.

fonte

11.04.2019

A farra da impunidade

Quase todos os programas ambientais estão parados, sem dinheiro. Priorizaram criar um novo, especial: os Núcleos de Conciliação Ambiental. Na verdade, um verdadeiro cartório burocrático para perdoar multas ambientais.

fonte

15.04.2019

Em defesa dos madeireiros ilegais

Conforme previsto em lei, equipamentos envolvidos em atividades ilegais e apreendidos no meio da floresta podem ser queimados para, entre outras razões, não serem recuperados pelos criminosos. Bolsonaro fez discurso em rede social defendendo que não se destrua mais esses equipamentos, criticando publicamente o Ibama.

fonte

15.04.2019

O fim da prevenção de incêndios I

Com o corte de 24% no orçamento do Ibama, quase não sobra recursos nem para pagar os gastos fixos do órgão. O Brasil perde capacidade de monitorar, fiscalizar e prevenir crimes ambientais.

fonte

07.05.2019

O fim da prevenção de incêndios II

38% do orçamento dos programas de prevenção e controle de incêndios florestais foram bloqueados.

fonte

07.05.2019

Dane-seo clima

O orçamento para lidar com mudanças climáticas é reduzido a praticamente zero. O corte de 95% afeta duramente os programas de combate ao desmatamento e às queimadas, maior fonte de emissões brasileiras de gases do efeito estufa.

fonte

08.05.2019

“O desmonte de tudo quefoi construído”

Num encontro inédito, ex-ministros do Meio Ambiente de todos os governos desde o fim da Ditadura Militar denunciam o “desmonte da governança socioambiental” promovida pelo governo Bolsonaro e acusam Salles de tentar destruir o Ministério do Meio Ambiente e liquidar sua capacidade de proteger a floresta.

fonte

27.05.2019

Corre que apolícia vem aí

Governo avisa antecipadamente onde fará operação de fiscalização do Ibama contra desmatamento, para que os infratores possam se esconder.

fonte

27.05.2019

Menos conservaçãomenos áreas protegidas

Bolsonaro anuncia planos de reduzir 67 Unidades de Conservação, para não atrapalhar a abertura de estradas e outros projetos. Salles promete rever todas as 334 Unidades de Conservação federais.

fonte

13.06.2019

Vitória daimpunidade

O presidente comemora a queda das multas do Ibama contra crimes ambientais. “No primeiro bimestre deste ano, tivemos um menor percentual de multas no campo, e vão continuar diminuindo, vamos acabar com essa indústria da multa no campo”.

fonte

04.07.2019

Cuspindo no pratoque come

Governo Bolsonaro começa uma polêmica absurda com Alemanha e Noruega, os principais doadores do Fundo Amazônia, que financia projetos de preservação da floresta e de geração de negócios sustentáveis. Para surpresa dos dois doadores, ele sugere que o dinheiro seja aplicado para indenizar grileiros de terras públicas. Resultado: os repasses foram suspensos.

fonte

06.07.2019

E o crime sente quetem o apoio do governo

Quando as equipes de fiscalização do Ibama chegaram à Terra Indígena Zoró, em Rondônia, para impedir uma ação criminosa de madeireiros, os agentes da lei foram recebidos com violência. Um caminhão-tanque do órgão federal foi incendiado e a operação precisou ser interrompida. Os madeireiros sentem que têm o apoio do governo e que agora podem se recusar a obedecer a lei.

fonte

17.07.2019

…E temmesmo

Duas semanas depois do ataque ao Ibama em Rondônia, Ricardo Salles vai à região e discursa a madeireiros, chamando-os de “cidadãos de bem”. É bom lembrar que as madeireiras que operam na região atuam na extração ilegal de madeira de terras indígenas.

fonte

06.08.2019

E afloresta cai

Surpresa nenhuma: depois de meio ano de reduções nos esforços de monitoramento, prevenção e fiscalização, o desmatamento explode. O número de alertas de desmatamento em julho foi 278% maior que o verificado no mesmo mês de 2018. No acumulado do ano, o aumento de alertas foi de quase 50%.

fonte

07.08.2019

A inimigaé a ciência

Insatisfeito com a repercussão internacional do aumento do desmatamento, Bolsonaro resolve botar a culpa no INPE, o instituto de pesquisa responsável pelo monitoramento por satélites. Para “resolver o problema”, acaba demitindo seu diretor, o renomado físico Ricardo Galvão, num ato de óbvia interferência política num trabalho técnico.

fonte

15.08.2019

Fundo amazôniaabandonado

Noruega suspende as doações para o Fundo Amazônia, assim como a Alemanha havia feito dias antes. Os dois países foram duramente atacados pelo governo brasileiro, maior beneficiário do Fundo voltado para ações de conservação da Amazônia.

fonte

19.08.2019

Apocalipse now

O dia vira noite, no meio da tarde, em São Paulo, num fenômeno climático nunca visto antes. As mudanças climáticas, que geram tempestades de potência cada vez maior, e a fuligem das queimadas da Amazônia e do Cerrado ajudam a entender o que aconteceu.

fonte

22.08.2019

Mas a culpa édas ongs

Numa tentativa desvairada de fugir da sua responsabilidade, mas com muita convicção, Bolsonaro começa a dizer que foram as ONGs que botaram fogo na floresta, apenas para prejudicá-lo. Nos dias que se seguiram ficou claro que várias das queimadas foram sim criminosas. Muitas foram provocadas por desmatadores articulados por Whatsapp em redes que apoiam Bolsonaro.

fonte

23.08.2019

Causa econsequência

Imagens da NASA registram grande aumento nas queimadas e associam o problema ao aumento do desmatamento, que veio antes. Incêndios ocorrem sobre troncos de mata desflorestada deixados para secar ao sol.

fonte

27.08.2019

Queimandodinheiro

Depois de cortar brutalmente o orçamento para meio ambiente, Bolsonaro reclamou que não podia cuidar da Amazônia por falta de dinheiro. E, diante de uma oferta de ajuda financeira do G7, o presidente reagiu com irritação infantil, impondo condições absurdas para aceitar o dinheiro.

fonte

28.08.2019

Mais infraçõesmenos punições

O aumento no desmatamento foi gigantesco no último ano. Ainda assim, de janeiro a agosto de 2019, houve uma redução de 28% na quantidade de autuações ambientais em todo o país, quando comparado com o mesmo período de 2018. Especificamente em relação aos crimes contra a flora, na região da Amazônia Legal, a redução foi de 40%.

fonte

31.08.2019

O mercadoreage

Timberland, Vans e H&M são algumas das primeiras empresas a decidir suspender as compras de couro brasileiro, em protesto contra a destruição da Amazônia. Várias outras estudam medidas similares. O desmando ambiental do governo Bolsonaro começa a machucar a economia brasileira.

fonte

04.09.2019

Ministériodenunciado

O Ministério Público Federal (MPF) envia uma série de treze recomendações para o Ministério de Salles começar a trabalhar pelo meio ambiente, apontando omissões e ineficiências, e pedindo para o ministro parar de perseguir os órgãos de fiscalização.

fonte

08.09.2019

Amazôniaem chamas

Alertas de desmatamento da Amazônia crescem 321% em agosto, alertas de fogo aumentam 196,4%, em comparação com 2018.

fonte

10.09.2019

O fim da fiscalização

O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) cortou 22% das operações de fiscalização ambiental planejadas para o ano entre janeiro e agosto.

fonte

11.09.2019

Palavrasao vento

De janeiro a setembro, o governo só aplicou 7,5% do reduzido recurso para políticas de combate ao desmatamento e crimes associados, como grilagem de terras e violência contra comunidades. Sem fiscalização, quem está agindo com liberdade é o crime organizado. Com essa conivência, máfias que lucram com a destruição da floresta estão colocando em risco a floresta e seus povos.

fonte

19.09.2019

Não está pegandobem…

No mesmo dia em que o parlamento da Áustria rejeita o acordo da União Européia com o Mercosul, 230 fundos que movimentam U$S 16 bilhões cobram de Bolsonaro medidas eficazes para proteger a Amazônia.

fonte

Agora que você entendeu o tamanho do problema, o que você pode fazer? Se informe, assine a petição e pressione contra a destruição da Amazônia.
Acesse: